domingo, 11 de julho de 2010

Minha História (Capítulo 8)

Semelhanças Familiares

09 de fevereiro de 2004

            Esta foi a primeira conversa que tive com a Irmã Elizabete depois que mudei, não estou mais no seminário, estou morando na casa de uma família aqui da cidade, um casal exemplar, dois filhos, e me acolheram durante este ano ou os meses que forem necessários.
            Na conversa com Irmã Elizabete, levei uns papeis que havia pedido para eu preparar, descrever as características e qualidades de todas as pessoas da família que eu me lembrasse, tanto por parte de mãe quanto por parte de pai.
            O resultado foi incrível, no início, ela pediu para eu ler tudo que havia escrito sobre os homens da família, em voz alta, e em seguida para assinalar com o símbolo de masculino (círculo com a seta para a direita) os que tivessem as mesmas características do pai do meu pai, meu avô, que era chato, bebia muito, brigava freqüentemente com os filhos e esposa, autoritário, mulherengo, nunca ia a igreja, e não se percebia carinho nem afeto em seus atos, depois assinalar com o símbolo de feminino (círculo com uma cruz para baixo) os que tivessem as características do pai da minha mãe, meu avô materno, cuja lembrança era bem pequena, mas me lembrava que era carinhoso, atencioso, alegre, mais humano. Caso alguém possuísse ambas as características, poderia marcar com os dois símbolos juntos.
            Marcando todos, com exceção da minha pessoa que é a que está sendo trabalhada, foi de admirar o resultado. De um total de 15 pessoas, 3 foram assinaladas com o símbolo do feminino, 2 com os dois símbolos e 10 com o símbolo do masculino.
            Simbolizando cada pessoa e classificando-as como orientadas ou desorientadas de acordo com suas atitudes, chegamos à conclusão de que a família, em sua totalidade, está mais focada no lado negativo que positivo, tem um grande número de pessoas que bebem, só gostam de diversão, são totalmente imunes a qualquer tipo de sentimento e muito desumanas. Este é um quadro preocupante, revela que a família é vítima de uma alto-programação, fazendo com que os bebês já nasçam com estas tendências que se agravam ainda mais ao crescerem e serem educadas num ambiente que apresenta estas condições.
            Algum dia através de alguma pessoa teve início esta alto-programação, que permanecerá por toda a vida da família, até que alguém apareça e a quebre:
“- e você vai quebrá-las, já está fazendo isso!”. Foram as últimas palavras da irmã nesta conversa.
            As vezes penso que estes trabalhos estão um pouco distante do tema central, mas percebi que não, talvez seja justamente por querer negar e fugir desta realidade brutal, desse machismo descontrolado, que eu tenha me tornado homossexual, “talvez”, durante a gravidez de minha mãe ou no primeiro ano de vida, os exemplos de homem que vi e senti não foram bons, fazendo com que meu inconsciente registrasse que não era vantajoso ser homem, que não era humano ser homem daquela forma, que não era racional ser homem daquela maneira, sobrando apenas a mulher, para meu inconsciente tomá-lo como exemplo, sendo “talvez” a origem do meu desejo e atração pelo masculino, o invés do feminino.

9 comentários:

  1. Mas sabe que além do machismo, pwercebi que as pessoas não gostaram muito do meu post mal criado, hahahaha. Foda-se! Hahahahaha!

    O seu texto me lembra descoberta. Fiz as minhas quando tinha a sua idade, sempre busquei os porquês, e sabe a que conclusão cheguei? Nem sempre existe resposta para eles ou então, é preciso ter paciência para entender certas coisas. O tempo, a vida explica, um dia a gente entende.
    E cada um tem a sua, né?! Vivamos!

    Beijos pra ti e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Que bom, a saga da família voltou! Degustei-a e espero os próximos capítulos! Uma boa semana!

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo querido, também venho aqui para deixar meu abraço, meu apreço por ti e desejar que tenha um ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  4. Olá menino
    Devo lhe confessar que tenho muita dificuldade com papos virtuais, mas de qualquer forma eles são válidos para se entrar em contato com novas pessoas. Esse "talvez" que você colocou no texto, daria uma conversa de vários dias, mas pessoalmente. Eu não tenho esse modelo de homem que você teve, meu pai era extremamente carinhoso e apaixonado pelos filhos, seria um modelo a seguir, no entanto sou homossexual. Por que só eu, e não meus outros 2 irmãos?
    Isso é muito complexo, quem sabe um dia poderemos falar sobre isso pessoalmente.
    Bjux

    ResponderExcluir
  5. Olá, td bem?

    Olha, fiquei com vontade de ter uma irmã Elizabete do meu lado agora. Não que eu esteja precisando, mas sei lá, ela nos traz grandes ensinamentos.

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  6. Sabe cada um de nós tem uma história de vida para contar e aprender, paz no seu coração.
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir
  7. Nossas vidas, nossas histórias!

    Vivendo e aprendendo!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Meu amigo querido.
    Estou passando para deixar meu abraço, desejar um ótimo final de semana, e esses versos:

    Pranto de Anjo e Almas

    A chuva de teu pranto simplesmente
    Que da alma de teu ser em desalinho
    É a meiguice de teu ser impenitente
    Que abranda muitas almas com carinho

    Nesse pranto de teu ser iluminado
    Como um anjo imortal, em rebeldia
    Em teu ser, és um bem aventurado
    Laureado nesse mundo por um dia

    Teu pranto que em chuva copiosa,
    De tua nuvem de cristais como brilhante,
    Nessa terra vem tornar-se dadivosa!

    Mas o pranto que de tanto prenuncia
    Que transborda e que na fatalidade
    É o choro doutras almas em agonia!

    Abraços do teu leitor.

    ResponderExcluir
  9. oie,
    a psicanálise ia adorar sua hist.
    Cada caso é um caso.
    Mas com ctz dia a dia vc se encontrará.
    Assim como tenho me encontrado a cada dia.
    Ser humano é um bixo complicado.
    Ótimo final de semana
    @vanimonique
    :*

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails