sábado, 31 de julho de 2010

Minha História (Capítulo 10)

Primeiro encontro com a ADI

11 de março de 2004

            Quando o horário marcado foi se aproximando, fui ficando ansioso, afinal, seria minha primeira experiência com a ADI (Abordagem Direta ao Inconsciente), além de haver a partir de agora uma pessoa a mais envolvida neste meu processo de auto-aceitação.
            Quando cheguei, já foi a Aparecida que veio me receber, uma jovem baixa, magra, morena, cabelos lisos, linda e muito simpática. Logo fomos para uma salinha ao lado, Irmã Elizabete foi junto, perguntou se seria necessário, achei melhor ela estar presente. Aparecida me explicou o que iria fazer e pediu que eu não pensasse na resposta, simplesmente respondesse com aquele relâmpago que passa por nossa mete ao ouvir a pergunta.
            De início, ele pediu que eu ficasse numa posição bem confortável, bem relaxante, que eu me imaginasse numa praia, fosse caminhando, caminhando até encontrar uma casa. Lembro-me nitidamente, coitadinha da casa, estava tão acabada, a pintura tão velha, telhas quebradas, a madeira estragada e dentro, para minha surpresa, quase nada, apenas uns quadros.
            Logo depois, pediu que eu procurasse um espelho, vi um na parede ao meu lado. Perguntou-me;
O que eu vê?
Uma criança, respondi.
Tem algum número no espelho?
Sim.
Qual?
O  4.
O 4 ou 04?
O 04, respondi, o vi nitidamente, ela prosseguiu.
Vê alguma sena no espelho?
Era a sena do quarto mês de gestação de minha mãe, vi nitidamente que meu pai brigava com ela, discutiam, ele queria uma menina, ela já tinha um menino, quem mandou você ficar grávida, ouvi ele dizer. Depois de ver toda essa sena, me orientou a pedir a sábia (o inconsciente) que me revelasse outro número, desta vez com o oposto desta sena, vi o número 07, nesta sena, meu pai estava abraçando minha mãe, estavam contentes porque eu ia nascer. Mostrou-me mais uma sena positiva e depois pediu para eu tentar ver a sena negativa do quarto mês novamente, lá estava ela, assombrosa, mostrou-me mais algumas senas positivas, situações contrárias àquela sena, e quando voltei ao quarto mês, não vi mais aquela sena, ela havia sido substituída.
            Ela pediu para eu voltar para a casa, observei de imediato uma cômoda num canto, uma cômoda que não estava lá antes e a pintura estava mais nítida, mais viva, saí da casa, continuei caminhando, ela contou de 1 a 10 e eu voltei, devagar, meio tonto, mas voltei.
            A experiência foi fantástica, bem..., na verdade ainda não sei se fantástica ou dramática, estava meio confuso, foram muitas informações, comecei a descobrir um dos motivos que talvez tenha me levado a ser o que sou hoje, um homossexual, comprovei que já no quarto mês de gravidez meu pai já desejava uma menina. Isso provocou em mim um pouco de revolta, afinal, ele definiu certas coisas em minha vida para todo o sempre, ou melhor, fez com que meu inconsciente definisse certas coisas imutáveis.
            Ao final perguntei o que simbolizava a casa, e para minha surpresa, a casa sou eu, devido a repressão que provoquei para esconder  e fugir do que sou, não decorei a casa. Há muito trabalho pela gente, o próximo encontro será segunda feira, esta casa vai ficar um verdadeiro brinco!


Hoje:
            Faço aqui um esclarecimento para quem, por ventura, não tenha conseguido acompanhar esta história desde o início. Ninguém nasce pronto, nós, humanos, estamos sempre em processo de crescimento e aprendizagem, este, por mais doloroso que tenha sido, foi o meu, e não está concluído, ainda hoje aprendo muito e sei que muito mais tenho a aprender.
            Como já deixei claro em outros posts aqui no blog, na época em que isso aconteceu, no ano de 2004, acreditava piamente que eu era uma aberração, como até já fui chamado, acreditava piamente que era nada mais que um erro da natureza, bem, é como fui criado, daí a me rebelar contra isso tudo, era um passo gigantesco, passo este que consegui, com o apoio de pessoas maravilhosas, dar, um depois do outro, uns até rápidos, outros lento por demais, mas nunca parei.
            Não se desesperem meus queridos leitores por favor, rsrsrs, já postei outros textos também relatando que hoje vejo tudo isso apenas como uma obra de arte na natureza e da criação, o erro não era eu, não sou eu, sou tão perfeito e maravilhoso como sol lá no alto ou a lua que prateia o mar a noitinha, o erro são os padrões humanos, criados, impostos, o erro não existe, existe o que o homem criou e adotou!

11 comentários:

  1. Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário. Gostaria de agradecer-lhe pela bela companhia através dos nossos blogs.
    Um grande Abraço e um Domingo Feliz!

    ResponderExcluir
  2. meu pai tbm queria uma menina
    sera que isso influenciou?
    eu ja tinha pensado nisso antes
    mais pensei que fosse so coisa da minha cbeça
    mais se vc tbm acha hehehe
    adorei o post
    abraços
    ah qual seu nome?

    ResponderExcluir
  3. Acho que eu já fiz uma Abordagem Direta ao Incosnciente também, mas foi bem diferente da sua e nem sei se o que vi era eu inventando uma história ou era de fato um aconteciemnto do passado, vai entender. Mas no seu caso, como você viu tudo nítido, acho que não tem do que desacreditar.
    E é isto mesmo, concordo com os padrões humanos impostos pela sociedade a que refere. Afinal, não somos o que somos por mera escolha ou porque sofremos de uma doença incurável... rsrs...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. A vida é um eterno aprendizado...aprendemos com as dores e alegrias.

    abraços
    de luz e paz.

    Hugo

    ResponderExcluir
  5. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Vozes da Minha Alma. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá meu querido e amado amigo! Olha, seu post
    me emocionou... E a mim só cabe aplaudí-lo
    de pé pelo texto e por ser esse ser maravilhoso
    e de grande coragem que tu és! Parabéns!!! Que
    Deus continue a te iluminar sempre!
    Carinhos sempre a ti... Bjsss

    ResponderExcluir
  7. "O Sorriso é algo muito precioso para ficar oculto em seu rosto!"
    Uma boa semana
    BJS

    ResponderExcluir
  8. Interessante...e esclarecedor esse post! Espero mais, é sempre bom lê-lo!
    Uma semana de paz e abçs!

    ResponderExcluir
  9. Oi, estou de volta depois de longas férias...saudades daqui!!! Gostei do Capítulo 10, vou ter que voltar pra ler alguns porque perdi muita coisa, rsrsrs.

    Muito interessante este método, é o que também alguns chamam de regressão??? Se não for parece...ah não, regressão remete a vidas passadas, desculpe, rsrs.

    Bem, uma coisa eu questiono, talvez por ter exemplos que não tenham tido o mesmo resultado, muitos pais desejam o sexo dos filhos, principalmente se este for o segundo, é natural querer formar um casal...e não fazem isso por mal, não sei se concordo que influencia na sexualidade da criança. Na verdade mesmo meu caro, a humanidade ainda não tem resposta exata sobre o que faz alguém ser homossexual.

    Mas uma coisa você está coberto de razão:
    "...o erro não era eu, não sou eu, sou tão perfeito e maravilhoso como sol lá no alto ou a lua que prateia o mar a noitinha, o erro são os padrões humanos, criados, impostos, o erro não existe, existe o que o homem criou e adotou!"

    Continue na sua luta de autoconhecimento e rebele-se mesmo contra tudo e todos que tentam te fazer sentir menos especial do que és.

    Beijos,
    Kenia.

    ResponderExcluir
  10. Psicanálise aí vou eu,sempre digo isso qnd venho aki no teu blog.
    Volto um pouco as minhas aulas de qnd fazia psicologia.
    Vc é vc e é único!
    Obrigada pelo seu carinho.
    Sou mt grata por te conhecer.
    Continue aprendendo e ensinando.
    :*

    ResponderExcluir
  11. ABERRAÇÃO?
    SE TE CONHECESSEM COMO NÓS TE CONHECEMOS MESMO QUE DAQUI, NÃO É MEU QUERIDO? POBREZINHOS QUEM TE CONSIDEROU ASSIM.
    GOSTA DO ERASURE?
    UM ABRAÇO MEU ESTIMADO.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails