segunda-feira, 14 de junho de 2010

Maldita Timidez


            Hoje tinha tudo para ser apenas mais um dia, mais uma daquelas tediosas segundas-feiras cujo relógio alcança as 20:00 horas mas não chega as 18:00, no entanto, não foi.

            Eu, não apenas por timidez, mas também por já ter tomado muito na cara, fico sempre na minha, cansei de infantilidade, de imaturidade, já a algum tempo me mantenho em estado de inércia, sem atacar.

            Pela manhã, levante-me, tomei meu café, não tão amargo, aprecio café, sem que ele me lebre jiló, não que eu não goste de jiló, mas cada coisa em seu lugar, se é café, que lembre café.

            O fato é que levantei-me não querendo levantar, tomei meu café que não me lembrava jiló, tomei meu banho, e fui para o trabalho, peguei o ônibus que sempre pego, no mesmo ponto, com as mesmas pessoas indiferentes, te olhando de forma indiferente, como em todo coletivo não havia lugar para sentar, fui para os fundos, tenho pavor de gente que fica na roleta atravancando a passagem quando o fundo do ônibus está vazio.

            Ainda quando me dirigia para o fundo do ônibus, uma silhueta me chamou a atenção, também nos fundos, na última poltrona, mas, eu que não ia olhar, afinal, em coletivo somos transportados como gado, tinha de me segurar bem, um descuido, uma curva, e pronto.

            Após alguns segundos, já lá no fundo bem acomodado, bem seguro, observei que estava a poucos metros dele, ai decidi olhar, foi um cruzar de olhos, no mesmo segundo, ele também me olhava, acho que passei de vermelho, devo ter ficado roxo, não sabia para onde olhar, dei uma disfarçada, e, quando o olhei de relance, ele ainda me olhava, enfim, um moreno alto, cabelo aparadinho, olhos castanhos claros, boca carnuda, que boca...

            Mais alguns minutos, ele se levantou, se segurando claro, afinal apesar de sermos transportados como gado, ainda temos apenas duas pernas, com poucos passos se aproximou, sua mão encostou na minha no corrimão, apesar de não ter lhe dirigido o olhar, sei que me olhava fixamente, meu coração já acelerado, disparou no momento em que ele colocou a mão dele sobre a minha, um frio intenso na barriga, quanto tempo não sentia isso. Nem tremi a mão, claro, não sou besta, lentamente virei meu rosto para seu lado, olhei em seus olhos, um sorriso meio tímido, ta ta, tímido e meio confesso, ele nada disse, o ônibus parou, ele saltou e eu continuei meu trajeto até o trabalho.

            Passei o dia todo pensando, será que consegui encontrar alguém mais tímido do que eu?, será possível? Nem um “olá”, ou talvez um “qual seu nome?” ou quem sabe “pode me dar seu telefone?”. Passei o dia blasfemando, maldita timidez!

6 comentários:

  1. Olá, desculpe pela falta aqui...

    Nossa, consegui imaginar exatamente a história que você descreveu. Os dois rosto tímidos e avermelhados. Espero realmente que essa timidez passe, porem sei que é dificil viu... Mas chega um ponto em que a confiança e nossa auto-estima toma conta do nosso ser!
    beijo ;*

    ResponderExcluir
  2. A timidez atrapalha muito a felicidade. Não só nas relações, mas na vida geral,trabalho,escola, etc. Já sofri muuto com isso, ainda não me livrei de toda timidez, mas já evoluí muito. Um abraço,amigo

    ResponderExcluir
  3. Te entendo muito bem. Tb morro de timidez, até hoje nunca cheguei em ninguém, nem em balada. Meus amigos morrem com isto, mas não adianta, não chego e pronto, nem bêbado! Fora que enquanto as pessoas ficam olhando uma para as outras eu olho para o nada, dificilmente vejo um flerte, ou tenho que estar um pouco alto ou alguém do meu lado tem que me avisar... rs. Tímido e lerdo, acho que eu ganhei, hein?!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi garoto, tudo bem?
    Gente, eu me vi mudo tbm nessa história, pois sou tímido e jamais falaria algo, lógico q olharia, mas falar seria difícil, rsrs.
    Bjo menino

    ResponderExcluir
  5. Aconteceu parecido comigo ontem, amores de ônibus, impossível resistir. Eu mesmo ficaria encolhido e calado de timidez.
    E, adorei a forma com o qual narra o cotidiano.

    ResponderExcluir
  6. Menino uma oportunidade assim não se perde, rsrsrsrs.

    Eu sei, falo isso mas é bem complicado lidar com a timidez. Não sou extremamente tímida, mas também não tomo a iniciativa, rsrs. Então acaba dando no mesmo!

    Mas nesse caso, o cara lindo, me olhando, pegando a minha mão e me deixando com frio na barriga, sei não, descia junto com ele...kkkkkkkkkkk!

    Agora querido é rezar pra que peguem o mesmo ônibus outra vez...impossível não é!

    Beijos,
    Kenia.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails