domingo, 30 de maio de 2010

Minha História (Capítulo 5) primeira parte

Viva Santo Deus, Viva!

17 de novembro de 2003

            Foi extraordinário o resultado desta conversa. Fui para lá bastante desanimado, triste, decidido a contar tudo sobre meus sentimentos em relação ao Lucas e mostrar-lhe os poemas que havia escrito desde a última conversa, que também retratavam o meu amor pelo meu colega.
            Em primeiro lugar, mostrei-lhe um pequeno trabalho que havia pedido para eu fazer, mostrando o que eu ganharia e o que seria exigido de mim em algumas áreas de minha vida.
            Neste trabalho, a tarefa era a seguinte, relatar em tópicos o que eu teria de fazer e quais seria os ganhos nas principais áreas de minha vida, segue abaixo resultado.
           
Trabalho
Espiritualidade (Oração)
Amizade (ambos os sexos)
Tempo
Tempo
Abertura
Sustento
Estudo
Sinceridade
Energia
Perseverança
Companheirismo
Socializar
Verdadeiro
Responsabilidade
Disponibilidade
Atencioso
Disciplina
Solidariedade
Acolhedor
Autoridade
Crescimento espiritual
Responsabilidade
Limites
Prática do amor
Escutar
Respeito
Verdade
Falar
Administração


Compartilhar / Colaborar



Comunidade
Lazer (Arte)
Acompanhamento
Interesse
Tempo
Temo
Responsabilidade
Criatividade
Dedicação
Escutar
Forma de expressão
Paciência
Opinar
Relaxamento
Força
Questionar
Disposição
Oração
Oração
Dedicação
Auto-conhecimento
Abertura
Alegria
Aceitação
Crescimento
Atenção
Perseverança
Maturidade

Experiência

Crescimento
Convivência

Paz


Alegria

            Logo após, mostrei-lhe também a carta que irei enviar a minha família para comunicar-lhes sobre a possibilidade de eu sair do seminário para o aconselhamento, pois não quero pegá-los de surpresa quando for de férias. (não deixo aqui uma cópia por não achar necessário).
            Após a amostragem desses dois deveres de casa, ela perguntou-me se havia mais alguma coisa que eu queria mostrar naquele momento, pois havia percebido que trazia em minhas mãos outras folhas, então entramos no assunto de praticamente todo o restante da conversa, o amor que sinto pelo Lucas, que, até o presente momento, eu estava reprimindo ferrenhamente. Entreguei-lhe as folhas e pedi que as lesse, eram 3 poemas que havia escrito em momentos de muita angústia, os quais transcrevo aqui.

                                               Meu Lugar
O temo já não me pertence.
Minha mente controla meu estado.
Meu psíquico já sempre vence.
Não consigo fazer meu trabalho.

É como a água do oceano.
Que está sempre viva.
Perdido dentro do meu oceano.
Sempre encontro este paraíso.

Paraíso porque assim sou.
E só assim, feliz serei.
Na dolorosa luta em que estou.
Qual será o fim que terei?

Quem sabe um dia neste oceano.
Um corpo boiando aparece.
Pois então, sabereis quem venceu.
E que tudo não passa de uma dor de cabeça.

Então verei que a noite tem fim.
E que esse oceano é de água cristalina.
Pois o sol raiando assim.
No paraíso que alguém imagina.

Me pego em constante pensamento.
Perplexo e paralisado ante a realidade.
Muitos dos quais sem cabimento.
Mas vejam só que grande maldade.

É ai que vejo meu fim.
Na incapacidade de pode começar.
Sabendo que não deve ser assim.
Nunca devo parar de lutar.

A ti Senhor do céu e da terra.
Rogo triste e desanimado.
Esperando que envie um sinal.
Para este seu ser mal amado.

Aqui desolado esperarei.
Com ânsia de um dia vencer.
Contra este sentimento lutarei.
E vontade de ganhar sempre mais vou ter.

E sei que não há de negar.
O paraíso a tua criatura.
Pois a vida assim teve que aceitar.
E respeitar toda aquela estrutura.

Eis que agora contemplo.
Uma forte luz em minha direção.
Do Divino Espírito Santo sou templo.
E faço parte de toda a criação.

                        (11/11/2003)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails